O Cromeleque dos Almendres é um circulo de pedras megalíticas pré-históricas com 94 menires que, pelo menos a mim, faz regressar à infância, às histórias do Obélix e Astérix. E viajar cerca de 7.000 anos, tentando imaginar como viviam as pessoas dessa altura. Mas, mais difícil do que isso, imaginar o que pensavam e como se relacionavam com a natureza.

Culto à fertilização das terras

O Cromeleque dos Almendres, na freguesia de Nossa Senhora de Guadalupe, em Évora, é sem dúvida um lugar especial especial. Só foi descoberto em 1964 pelo investigador Henrique Leonor Pina, mas é um dos mais importantes monumentos megalíticos do mundo (e o mais importante da Península Ibérica).

Ainda que a sua função não seja precisa, acredita-se que estes povos “fecundaram” o ventre terreno com falos em pedra, como forma de culto à fertilização das terras para lavoura.

É que foi há aproximadamente sete mil anos atrás, no Neolítico, que os povos foram criando raízes na região da Península Ibérica. Deixaram de seguir as migrações sazonais da caça (como caçadores-recolectores) e assentaram, cultivando terras, criando e domesticando animais (passando a agricultores e pastores). Assim, foram-se fixando e começaram então a surgir tradições e costumes próprios de cada região.

Também se considera que este tipo de monumento está relacionado com rituais pagãos ligados à celebração da passagem do tempo, nomeadamente à mudança das estações do ano.

Mas o que pensavam as pessoas dessa altura, é muito difícil saber…

Localização do Cromeleque dos Almendres

Do Cromeleque dos Almendres restaram 94 monólitos de pedra, alinhados em forma de elipse, com diferentes tamanhos e formatos, erguidos na descida de uma colina, para nascente, com uma orientação central para o equinócio. As pedras têm inscrições geométricas e simbólicas que se podem ver consoante a luz do sol.

A cerca de 3km, por um caminho de terra batida, situa-se uma pedra maior e isolada, o Menir dos Almendres. Um solitário monólito que considera-se ter uma associação ao cromeleque.

A localização do Cromeleque dos Almendres foi escolhida em função da rede hidrográfica. Mas também tendo em conta fenómenos astronómicos relacionados com a movimentação anual do Sol e da Lua.

Podem visitar o Cromeleque dos Almendres de forma independente (é gratuito) ou então podem fazer uma tour com um arqueólogo da região com a Ebora Megalithica Guided Tours.

Centro Interpretativo dos Almendres:

Próximo ao Cromeleque dos Almendres, existe o Centro Interpretativo. É um espaço de apoio turístico focado no património rural de Évora.  Aqui podem saber mais informações sobre o Cromeleque dos Almendres (e sobre outros lugares de interesse) e aproveitar para comprar água, utilizar a casa-de-banho, o parque de merendas, etc.

Para chegar ao Centro Interpretativo dos Almendres e depois irem ao Cromeleque dos Almendres e ao Menir dos Almendres, podem usar as coordenadas GPS ​38.567801, -8.027456. Ou então, a partir de Évora, de carro ou bicicleta, seguir pela estrada nacional em direcção a Lisboa e após 8 km seguirem o desvio para a esquerda em direção a Guadalupe. A partir dai são 3 km até à aldeia de Guadalupe.

Se visitarem o Cromeleque dos Almendres, podem almoçar em Évora. O restaurante Salsa Verde, o Panne & Vinno ou as marmitas da Paula Telles Coelho podem ser boas opções.

Deixe uma resposta